Populares Mês

S.C.Braga - F.C.Porto. Só um Dragão com muito fogo pode derrubar a "Pedreira"


Não há muito mais a dizer do que já foi dito, sobre o importante Braga-Porto de amanhã. Que vai ser um jogo dificílimo, um duro teste e só um Porto de alto nível, no máximo das suas capacidades, pode sair de Braga incólume e na luta pelo principal objectivo da época, todos sabemos. Portanto, espera-se e deseja-se que na "Pedreira" esteja um Dragão preparado para tudo: para uma equipa forte, ainda mais agressiva, bem orientada e com jogadores acima da média; esteja um Porto à Porto na atitude, no carácter, na personalidade, imune às pressões e às más decisões e depois a jogar um futebol com a qualidade que está ao seu alcance e que tão exeburantemente foi demonstrada no jogo frente ao Sporting. Estamos no momento das grandes decisões, nos momentos que definem equipas e jogadores. Como acredito que temos as duas coisas, tenho confiança que seremos capazes de sair do estádio bracarense com os três pontos.

O árbitro é Jorge Sousa, auxiliado por Álvaro Mesquita e Bruno Trindade.

Convocados do F.C.Porto:
Guarda-redes, Fabiano e Helton;
Defesas, Ricardo, Danilo, Maicon, Marcano, Alex Sandro e Martins Indi;
Médios, Rúben Neves, Brahimi, Evandro, Herrera, Casemiro e Quintero;
Avançados, Quaresma, Tello, Jackson, Hernâni e Aboubakar.

Equipa provável:
Fabiano, Danilo, Maicon, Marcano e Alex Sandro, Casemiro, Herrera e Evandro, Brahimi, Jackson e Tello.
Em equipa que ganha não se mexe, em equipa que ganha e joga bem, muito menos...

Antevisão de Lopetegui
Sobre o plantel:
«Não vou comparar planteis. Esta equipa está a crescer. Muitas vezses, um grande plantel não faz uma boa equipa e nós estamos a trabalhar para fazer uma grande equipa. Para isso, os rapazes estão a trabalhar de forma fantástica.
Insisto. Vocês têm uma visão diferente da nossa. Estamos em campos diferentes no mundo do futebol. Temos prioridades diferentes, a vossa nunca é a nossa nem deve ser.
Uma equipa com 16 jogadores novos precisa de uma grande adaptação, seja em que campeonato for. Estamos a trabalhar há muito tempo para tentar melhorar e vamos continuar. O futebol é assim: olhamos para o que temos à nossa frente e amanhã (sexta-feira) temos uma prova dura e exigente frente a uma equipa ambiciosa»

Sobre o Braga:
«Vai ser um jogo de máxima dificuldade, frente a uma boa equipa, que tem feito uma boa trajetória, e que em casa tem um registo fantástico  
O Sp. Braga é uma equipa muito completa em todos os aspetos. Nos aspetos táticos e nos aspetos individuais, com bons valores. Vai obrigar-nos a fazer um grande jogo e a dar o máximo para lutar pelos três pontos»

Sobre o momento da temporada e da condição de alguns jogadores:
«Não vou falar de jogadores individualmente. Estamos contentes com a atitude, uns participam mais, outros menos. Todos estão preparados e conscientes do momento da temporada. Quando toca o despertador é preciso estar preparado, e todos estão preparados»

Sobre Brahimi:
«Quebra de rendimento? Não tenho essa opinião. Estamos encantados com ele. Mas temos um jogo demasiado importante para falar num jogador.»

Sobre a prestação de Evandro frente ao Sporting:
«Não quero falar individualmente. Mas uns jogadores participam mais, outros menos mas todos estão preparados. O futebol não avisa quando toca o despertador, todos têm de estar preparados.»

Braga agressivo?
«O que é ser agressivo? Não vão dar patadas sem bola. Vão tentar tirar-nos a bola. É uma disputa nobre em busca da bola. Temos de ter argumentos para jogar. Eles têm argumentos que são muito mais que esses. Temos de dar as resposta adequada a essas situações.»

Sobre possíveis alterações:
«Há sempre a hipótese de poder mudar alguma coisa, mas está mais ou menos definido»

Sobre o calendário:
«É o adversário que temos. Gosta de atacar muito e é uma equipa muito ambiciosa. Temos de estar preparados para dar uma resposta máxima. O calendário é o que é. Temos de enfrentar o Braga e nem paro para pensar se preferia ou não nesta altura».

Sobre a adaptação dos novos jogadores, em particular, Tello:
«Qualquer equipa com muitos jogadores novos precisa de um período de adaptação. É sempre assim. Estamos a trabalhar para tentar melhorar em todos os aspetos. Temos de trabalhar, mas no futebol olhamos apenas para o que temos em frente»

Duas notas finais:
Que dois jornais espanhóis, Marca e AS, claramente afectos ao clube do regime lá do sítio, o Real Madrid, digam que Danilo já deu o OK aos merengues, não vai renovar, no caso é como quem diz, vai pressionar, quiçá chantagear para sair, não pelo preço que o F.C.Porto considera justo, mas pelo que o Real quer pagar, ainda estou como o outro, faz parte da forma de estar da Marca e do AS. Que jornais portugueses passem a vida a fazer eco dessas notícias, notícias de conteúdo mais que duvidoso, já é outra história, mas que não surpreende.

No último Grande área, o "Catredático" do terceiro mundo e sempre ressabiado no que ao F.C.Porto diz respeito, Manuel José - o trauma de nunca ter sido convidado a treinar os Dragões vai acompanhá-lo até ao fim dos dias -, mais uma vez disse coisas inacreditáveis. O Vassalo já disse quase tudo, sobrou para mim a parte do Lopetegui parecer uma barata tonta e mais umas coisitas.
Primeiro, Manuel José dizer que Lopetegui entrou à campeão, à espanhola, como se o que treinador do F.C.Porto fez no início da época, rodando jogadores, trocando de capitão - o Quaresma de agora nunca teria tido as atitudes que levaram à troca da braçadeira. Quaresma, actualmente, podemos discutir melhores ou piores exibições, mas a postura e o espírito, como já o referi, são correctíssimos -, tivesse alguma coisa a ver com a nacionalidade, é de péssimo gosto. Pode-se criticar tudo ao treinador do F.C.Porto, ele aguenta bem, mas  utilizar como argumento a nacionalidade, é uma análise claramente xenófoba, lamentável em alguém que fez uma grande parte da sua carreira no exterior. Também achei curioso que Manuel José tenha dito que Lopetegui em determinadas alturas parecia uma barata tonta, a esbracejar, aos gritos, aos saltos, extremamente nervoso. E achei curioso porque há algum treinador, já não digo na europa do futebol, mas no futebol português, que grite tanto, esbraceje tanto, saia da zona técnica, pareça sempre tão nervoso, como o apelidado "Doutor do Povo? Não há de certeza absoluta. E nunca ninguém ouviu os comentadores, Manuel José e afins, dizerem que Jesus parece uma barata tonta, pelo contrário, aquilo que dizem é que o "Mestre da Táctica" é um espectáculo dentro do espectáculo. Mas não admira, quando alguém que está num programa de desporto, na televisão pública, note-se, na qualidade de comentador e não de adepto/paineleiro afecto a qualquer clube e diz que quer que o Benfica seja campeão, está tudo dito sobre a personagem e sobre quem o escolhe para o programa. Então o Gobern teve de sair de um programa - embora logo depois o benfiquista de Paredes lhe arranjasse lugar no Trio D' Ataque... -, porque foi apanhado a festejar um golo do Benfica e Manuel José toma partido enquanto comentador e não se passa nada?

Xeque-mate só na Luz


Não é mania, vitimização, qualquer tipo de complexo, mas que havia junto de muito boa gente a expectativa do Sporting tirar pontos ao F.C.Porto e ajudar o parceiro do outro lado da segunda circular, havia e ela não foi escondida. A tecla batida foi que F.C.Porto não só não tinha ganho qualquer clássico, como tinha perdido dois, sendo que um tinha sido na Taça de Portugal exactamente frente ao Sporting, jogo em que leões tinham sido superiores e ganho com naturalidade no Dragão; que Lopetegui era um treinador inexperiente no futebol português e a treinar equipas seniores, ao contrário de Marco Silva; sem esquecer a exaltação de uma vitória moral frente ao Wolfsburg, porque era preciso que animicamente as tropas calimeras não se deixassem abater. Mas as expectativas saíram furadas, o leão não só não tirou pontos e não ajudou, como a exibição do F.C.Porto e a forma categórica como venceu o jogo, deixou muita gente preocupada, incapaz de esconder o nervosismo. O mérito da vitória e a qualidade de jogo dos pupilos de Lopetegui foram reconhecidos, mas foi vê-los e ouvi-los e lê-los a tentar arranjar desculpas. Foi a manta curta; foi o cansaço; os orçamentos que são incomparáveis; Jefferson fez muita falta... vá lá que desta vez, lamentavelmente para eles, o árbitro não lhes deu motivo para conversa. Mas o clássico passou, o F.C.Porto tem já na próxima sexta-feira outro jogo muito complicado em Braga, as expectativas e atenções viram-se agora para a "Pedreira". É um jogo em vésperas do importante compromisso para a segunda-mão dos oitavos-de-final da Champions e isso queiramos ou não, afecta sempre; o Braga está apenas a um ponto do lugar que lhe pode dar acesso à prova rainha da UEFA; os bracarenses são uma equipa valente, agressiva, com valor e que não dá nada de barato; as coincidências têm sido muitas - de uma falaremos mais à frente... Resumindo, o jogo frente ao conjunto orientado por Sérgio Conceição é, sob ponto de vista teórico, o mais difícil obstáculo dos Dragões antes do jogo da Luz, é em Braga que os que nos "amam de paixão" esperam o F.C.Porto tombe. Para que isso não aconteça e para que possamos chegar ao jogo da Luz, o tal em que eles, leia-se, clube do regime, segundo o panfleto da queimada nos vão dar o xeque-mate, em condições pelo menos iguais às de agora, quatro pontos de atraso, não pode haver dispersões, por mais importante que seja o jogo da próxima terça-feira, temos de ser uma equipa de coração grande e nervos de aço para derrubar a "Pedreira".

Contas à moda do Porto, análise ao 1º semestre, 2014/2015, por Rogério Paulo Almeida
«As contas estão na linha do orçamentado...
Em virtude do final do 1ºT até ao final do 1ºS não ter havido qualquer venda (ao contrário do rival), o resultado que se apresentava positivo em 30/9 passou a negativo em 31/12/2014...
Não há muito mais a dizer... O investimento no plantel é basicamente o mesmo dos últimos anos, no entanto, o valor dos salários está bastante mais elevado... O insucesso da época passada, aliado à mudança de treinador (vindo de fora) e à forte necessidade de juntar qualidade ao plantel, fez-nos passar a ter novamente muitos jogadores sob contrato... No final desta época teremos que voltar a conseguir reduzir, rentabilizando melhor o que temos no quadro e/ou conseguindo vender as “sobras”, tal como vinha acontecendo desde há alguns anos a esta parte...
Temos o acesso à Champions de 2015/16 praticamente assegurado, estando as receitas da UEFA que pretendíamos alcançadas... Faltam-nos agora as duas vendas “substanciais” previstas até 30/6/2015... e assim passar, como previsto, a positivo...
Este é o primeiro exercício com a integração da Euroantas. O Ativo passou de 249,6 no Final do 1ºT para 333,1ME no Final do 1ºS... tendo o Passivo passado de 269, 1 para 278,5ME... e o consequente Capital Próprio de – 19,6 para 54,6ME positivos...
Depois da aquisição por parte do Clube da participação da Somague, do Aumento de Capital da SAD integralmente realizado pelo Clube (através dos 47% da Euroantas “cedidos” à SAD e da “eliminação” de um débito do Clube à SAD de 15ME) e da OPA obrigatória do Clube às restantes ações no mercado (por ter ultrapassado os 50% no capital da SAD), o F. C. Porto detém, agora, 74,59% da SAD e não os anteriores 40%...
O F. C. Porto detém, também, 88,0573% da Euroantas... 53% de forma direta e 35,073% de forma indireta (através da SAD)...
No próximo exercício, de 30/3/2015, o Resultado Líquido vai agravar-se bastante... sendo que apenas após o último Trimestre (Resultado Final, portanto), como está previsto, a situação se irá reverter...»     

Notas finais: Como se pode ver aqui, na reportagem do Canal Plus espanhol, o F.C.Porto continua a ser mais bem tratado e reconhecido lá fora que cá dentro. Neste cantinho à beira-mar plantado os jornais da Cofina, o panfleto "dirigido" pelo pastel de Belém e as televisões públicas e privadas, continuam a privilegiar a mediocridade reinante. É o Portugal mesquinho e invejoso no seu melhor. É o Portugal dos Pipas, dos Pimpins, dos Delgados, dos Guerras, dos Bonzinhos, dos Freitas, enfim, da corja jornaleira vendida e prostituída.

Um dos auxiliares de Jorge Sousa para o Braga-F.C.Porto, é Bruno Trindade, o árbitro assistente que estava no enfiamento da jogada da pouca vergonha que foi um penalty, num lance claramente fora da área, assinalado pelo árbitro Rui Silva no Estoril-F.C.Porto da época passada... É uma nomeação estranhíssima, este árbitro assistente não acompanha normalmente Jorge Sousa, não é internacional. Se no Porto-Sporting, Artur Soares Dias teve como auxiliares dois internacionais, porque aparece agora este assistente? Porque persiste Vítor Pereira e a sua equipa do CA em dar azo a dúvidas e especulações? Ficaremos atentos à prestação deste cavalheiro.

Artur Soares Dias um árbitro de topo? Falta-lhe muita coisa...


Lá vou ser novamente mais papista que o papa, mas não concordo nada com o Presidente do F.C.Porto quando diz que Artur Soares Dias pode ser um árbitro de topo. E não concordo porque um árbitro que é cobarde a arbitrar, se deixa condicionar pela opinião falada e publicada, nunca pode ser um árbitro de topo. Artur Soares Dias, como mostrei num dos posts anteriores, fez uma arbitragem miserável em claro prejuízo do F.C.Porto no importante jogo da Luz na época passada - deixou-se perturbar pela gritaria de uma má decisão a favor dos portistas e depois entrou na lei da compensação, com decisões inqualificáveis; Artur Soares Dias foi rápido a assinalar penalty contra os azuis e brancos, mas encolheu-se e prejudicou o F.C.Porto no jogo do Estoril, já nesta temporada; deixou-se impressionar por uma mentira muitas vezes repetida pela máquina de propaganda vermelha de que tinha beneficiado os Dragões em Penafiel e por isso no jogo frente ao Sporting arbitrou sempre, mas sempre contra o F.C.Porto. Desde lances de cartões perdoados a uns e mostrados a outros, até lances que decididos da mesma maneira na área do F.C.Porto seriam hoje motivo de grande gritaria dos Brunos, Barrosos e afins, o juíz da Associação de Futebol do Porto decidiu sempre contra os de azul e branco. Um árbitro de topo tem de ser imune às pressões, ter carácter, coragem, espinha direita e esse não é o perfil de Artur Soares Dias. Aliás, a avaliar pela nomeação de Jorge Sousa para o Braga-F.C.Porto da próxima sexta-feira, espero que no futuro, estou a pensar no Benfica-Porto, não tenhamos de voltar a levar com ele.

O F.C.Porto, ontem, meio a sério meio a brincar, atirou-se ao freteiro com calo no cu como o macaco, Delgado - ver destaque no post anterior. Há quem ache que não devíamos passar cartão ao freteiro, que os portistas não precisam de elogios desse rafeiro para nada. Não concordo. Acho que de vez em quando devemos mostrar o tipo de gente que esse freteiro é e ontem era o momento certo para isso. Porque destacar o Jurgen Klopp, Jonas do seu querido Benfica e Roger Federer, ignorando o feito do F.C.Porto e em particular de Tello, diz bem o tipo de "jornalista" que é Delgado. Quem nunca elogia, mesmo em momentos marcantes, não tem moral para criticar. Mas como a moral, ética e deontologia, para o freteiro com calo no cu como o macaco, Delgado, não existe, na primeira oportunidade lá o teremos a zurzir contra o F.C.Porto.

É um tema que já foi abordado, mas é importante voltar ao assunto. Na última jornada os jogadores do S.C.Braga, Santos, Djavan, Pardo e Pedro Santos, estavam em risco, se levassem amarelo em Vila do Conde não defrontavam o F.C.Porto. Pardo e Djavan não jogaram, Santos e Pedro Santos jogaram, mas nenhum levou cartão, podem defrontar o F.C.Porto, continuam em risco para o jogo seguinte e que é na Luz frente ao Benfica.
Já três dos quatro jogadores do Arouca que estavam em risco, Miguel Oliveira, Pintassilgo e Rui Sampaio, levaram cartão, estão fora do jogo frente ao Benfica, em condições de defrontarem o F.C.Porto na jornada seguinte.
Atendendo ao que fez na sua página de facebook o pirómano e vice-presidente do Benfica, Rui Gomes da Silva - a foto da direita é significativa; atendendo ao que vão dizendo os paineleiros com agenda ao serviço do clube do regime, o que teria acontecido se se tivesse passado tudo ao contrário?

Notas finais:
Um prémio de fair-play atribuído pela Bola, a partir da votação de jornalistas do panfleto "dirigido" pelo pastel de Belém, como quer o Miguel Sousa Tavares, só pode ser uma piada. O clube do regime ganhava de goleada.
Ainda no artigo do Miguel, a única coisa que teve para dizer de um super-Herrera, foi que se o mexicano fosse mais dotado de técnica... Também está bem.

Os problemas que o cidadão Paulo Pereira Cristóvão tem com a justiça não me interessam - no que diz respeito ao blog, note-se -, não foi para isso que nasceu e existe o Dragão até à morte. Mas o que fez Paulo Pereira Cristóvão quando era vice-presidente do Sporting - armadilhou o ex-árbitro assistente José Cardinal para o apresentar como um corrupto que recebia dinheiro para prejudicar o Sporting -, sem que o clube leonino sofresse as consequências, isso já é outra história... mais uma vez, se fosse com algum dirigente do F.C.Porto era o fim da picada.

O Dragão está bem e promete luta até ao fim


Com uma exibição de alto nível o F.C.Porto na noite de ontem demonstrou que a manter este espírito, esta atitude e esta qualidade, há motivos para acreditar que podemos ser campeões. Os Dragões, após os tremeliques iniciais e que os assobiadores profissionais não deixaram passar em claro, partiram para uma grande noite de futebol e em particular na segunda-parte, atingiram momentos de grande fulgor que reduziram o Sporting a cacos. Arranjar qualquer outro tipo de argumento para ensombrar e tirar mérito ao brilhantismo portista, não é uma surpresa, é apenas a confirmação de que há muita gente sem pudor e vergonha na cara a falar sobre futebol. Mas é natural, eles já davam o campeonato por garantido, antes do jogo com o Sporting bateram constantemente na tecla da falta de experiência de Lopetegui, dos clássicos que não tinha ganho, esperavam no mínimo um empate. Tiveram azar, não só viram o F.C.Porto ganhar e continuar na luta, como viram uma exibição que deixa boas promessas para o futuro e não disfarçam o nervosismo. Ao F.C.Porto resta continuar a trabalhar bem e a melhorar, este ciclo difícil que só termina após a ida a Braga e a visita do Basileia ao Dragão, tem até ao momento sido ultrapassado com bons resultados, mas não podemos ficar a festejar, o caminho é difícil e as dificuldades estão aí. Temos um calendário apertado, somos tipo único nas provas europeias e isso pesa, mas temos treinador e plantel para ir mais além na Champions e lutar pelo título até à última jornada - apesar de haver factores que não conseguimos controlar. Ontem a superioridade do F.C.Porto sobre o Sporting foi tão flagrante e tão esmagadora, que não houve nada que impedisse os Dragões de conquistarem os três pontos. Mas fica a dúvida: se o jogo fosse equilibrado, disputado até ao fim e o resultado tanto pudesse cair para um lado como para outro, pelo que se viu da arbitragem de Artur Soares Dias, o que teria acontecido?

Como disse ontem, quando o colectivo é a base do sucesso e ontem foi um colectivo unido, coeso, solidário que potenciou a grande altura algumas individualidades, é melhor não destacar ninguém. No entanto, vou abrir duas excepções, Tello e Evandro. Mas também me apetecia falar do mexicano Herrera - que jogão, ó Vítor Alves! Tanta magia...-, do brasileiro Casemiro, do colombiano Jackson, dos laterais Danilo e Alex, da dupla de centrais cada vez mais consistente, do miúdo Rúben e de Martins Indi que entrou para lateral-direito e disse: se for preciso, também jogo aqui! Fabiano, porque não teve nada que fazer e portanto, praticamente não teve trabalho, Brahimi e Quaresma, estiveram num patamar abaixo e foi pena, estivessem tão inspirados como os restantes e talvez o resultado se multiplicasse por 2. 
 
Tello provou ontem que tínhamos razão quando dizíamos que na altura que fosse capaz de definir melhor na altura de rematar ou passar, podia ser um jogador importante, decisivo até. Ontem foi, espero que agora, com a confiança e a moral em alta, o jogador emprestado pelo Barcelona, mas sobre quem o F.C.Porto tem opção de compra, possa definitivamente confirmar todas as promessas que fizeram dele um jogador com grande futuro e uma aquisição em quem os portistas acreditavam muito.

Evandro, é um jogador à Porto, fiável, pode não ser daqueles que ganham jogos sozinho, mas é do tipo de jogador que ajuda e muito a ganhar campeonatos. Agora que Óliver está lesionado, espero que a aposta no ex-Estoril seja para valer, Evandro é um jogador que só precisa de fazer vários jogos seguidos para se afirmar definitivamente.

Notas finais:
É verdade o que o panfleto da queimada destaca na capa, "Há 37 anos que nenhum portista fazia hat trick contra o Sporting?" Há quem diga que sim, há quem diga que não. Eu acho que Doriva fez hat trick na vitória de 3-2 do F.C.Porto sobre o Sporting, época 1998/1999; há quem ache que o terceiro golo é um livre de Doriva, mas existe um pequeno desvio em Jardel e atribua o golo ao avançado em detrimento do médio. Em que ficamos? O vídeo esclarece? Quem quiser dar opinião...

Só Vítor Serpa, o conhecido pastel de Belém e a sua tropa de vendilhões do templo, se lembraria de colocar o ressabiado e mau carácter do Octávio Lacrau Machado na pele do representante portista para fazer o lançamento do F.C.Porto-Sporting, junto com o leão Manuel Fernandes. E que dizer do Lacrau ter aceitado colocar o cachecol do F.C.Porto ao pescoço? Há gente que não tem mesmo nenhum tipo de noção do rídiculo.
É preciso ter uma grande lata, uma desfaçatez proporcional aos seus 200 kg de peso, para Gobern andar a fazer apanhados de jogadores que não jogam contra o F.C.Porto por na jornada anterior terem atingido o limite de amarelos. É que nessa matéria ninguém ganha ao clube do regime. Dois jogadores do Estoril não jogaram contra o clube da Luz por essas razões, pelas mesmas razões três do Arouca não jogam na próxima jornada, como já não tinham jogado Advíncula  e Zequinha do Vitória de Setúbal ou Pedro Ribeiro e André Fontes do Penafiel, sem esquecer a pouca vergonha nunca vista no campeonato português, com Miguel Rosa e Dayverson do Belenenses.
É, eles não estão cómodos, nitidamente e mesmo com tanto colinho, o nervosismo é notório.

F.C.Porto 3 - Sporting C.P. 0. Dragão de classe reduz leão a nada


Um brilho imenso iluminou a noite do Dragão. Um Porto de classe, Vintage, conseguiu uma vitória cristalina, indiscutível, mas que peca por ser muito escassa. Se a vitória do Sporting no jogo da taça, para alguns entendidos, foi um banho de bola, como qualificar o que se passou hoje? Um tsunami de bola, tal foi a superioridade de Dragões sobre leões. Era um clássico importante e decisivo: porque ainda não tínhamos ganho nenhum, porque o líder tinha ganho ontem, porque perder pontos significava dizer adeus ao título. E a resposta do conjunto de Julen Lopetegui foi tão forte, tão contundente que reduziu o Sporting a nada. Foi uma noite a recordar as melhores noites do Dragão

Na primeira-parte, passados cerca de 20 minutos iniciais equilibrados e que mostraram um Porto um pouco tímido e à procura da melhor abordagem, enquanto o Sporting ficava na expectativa para depois procurar sair em contra-ataque, o conjunto de Lopetegui foi-se libertando, aumentou o ritmo, a pressão e a intensidade, passou a dominar, a atacar mais e com mais perigo, fez um golo excelente - desde o passe de calcanhar de Jackson até ao pique de Tello que isolado não perdoou na cara de Rui Patrício -, podia e merecia ter feito pelo menos outro e chegado ao intervalo com uma vantagem de dois golos. A melhoria dos de azul e branco deveu-se a um meio-campo que contou com um Casemiro forte na marcação e na recuperação, a que se juntou duo, Evandro e Herrera, dinâmicos, rápidos com bola e sobre a bola, mais o envolvimento dos laterais no apoio aos alas e na ajuda ao capitão, exímio a segurar, esperar e soltar no momento certo, para ir aparecer a complicar a vida aos centrais leoninos que nunca tiveram sossego.
Resumindo, os Dragões acabaram bem os primeiros 45 minutos, apenas faltou mais calma e melhores escolhas na zona de finalização para a vantagem se ter dilato, mas era o prenúncio do que estava para vir.

Entrando forte na etapa complementar, o F.C.Porto podia ter marcado logo e por mais que uma vez, nos minutos iniciais, faltou mais eficácia e contundência na hora de mandar lá para dentro para que o 2-0 que já era mais que merecido, surgisse. Viria a surgir perto da meia-hora, novamente por Tello e em mais uma notável assistência do capitão. Era o corolário de uma superioridade notória, era a certeza de uma vitória que já não iria fugir, mas ainda era um resultado que não fazia justiça à diferença de qualidade de jogo entre as duas equipas. Não abrandando, mantendo a concentração atrás, a capacidade, organização e equilíbrio a meio-campo e já com Quaresma no lugar de Brahimi - mais tarde Rúben entraria para o lugar de Evandro( grande jogo fez o ex-Estoril) e Indi para o de Danilo em manifestas dificuldades físicas -, FC.Porto foi à procura de mais golos, apenas fez mais um pelo inspirado Tello, mas devia ter conseguido mais dois ou três. Cinco ou seis a zero seria o resultado que a exibição portista justificava.
Foi, repito, uma noite de brilho intenso. Total mérito de um F.C.Porto de grande nível. Ponto final!

Notas finais:
Houve exibições monstruosas na equipa azul e branca e podia apontar várias, mas quando a manifestação colectiva é tão exuberante... seria injusto destacar alguém.

O Dragão está forte, confiante, moralizado, motivado, não desarma, mostou estar pronto para tudo. Haja a vergonha que Artur Soares Dias não teve na noite de hoje. 90 minutos contra o F.C.Porto, expulsões perdoadas ao Sporting por lances bem mais graves que aqueles que valeram amarelos a jogadores portistas.

Andebol:
Vojvodina 27 - F.C.Porto 29. Dragões ainda na luta pelo apuramento.

F.C.Porto - Sporting C.P. Temos de ser Porto do primeiro ao último minuto


Se todos os clássicos no Dragão são para ganhar, este ainda mais e por uma razão: é decisivo! Qualquer outro resultado que não seja a vitória do F.C.Porto significa praticamente dizer adeus ao título. E sendo assim, é bom que tenhamos aprendido com os erros cometidos nos clássicos anteriores, não podemos ser anjinhos como fomos no jogo da taça frente ao Sporting e do campeonato frente ao Benfica. Desconcentrações e abébias na defesa que estiveram na origem dos golos sofridos, mais ineficácia no ataque que até incluiu um penalty desperdiçado numa altura crucial do jogo com os calimeros de Alvalade, não pode repetir-se. O Sporting jogou na quinta-feira, teve um jogo desgastante, vai querer andamentos baixos, um jogo calminho, jogar com o relógio, defender e contra-atacar. Temos de contrariar essa estratégia e para isso temos de ser uma equipa que junte à atitude, concentração, à intensidade um ritmo alto que obrigue o adversário a correr muito, à pressão uma qualidade de jogo colectiva e individual que já provamos conseguir. Nani, o mais importante e desequilibrante jogador do Sporting, não pode ter a liberdade que gozou no jogo da taça, não pode ter o tempo e o espaço que lhe permitam pensar e executar à vontade, ser decisivo como foi nesse jogo de má memória. Estamos a entrar num ciclo que inclui jogos de grau de dificuldade elevada, Sporting, Braga, Basileia, jogos que exigem o melhor do F.C.Porto. Ultrapassá-los com vitórias significa poder encarar o final de época com optimismo e acreditar que tudo pode acontecer, todos os sonhos são possíveis. Que amanhã, equipa e público do Dragão, sejam PORTO do primeiro ao último minuto. Juntos somos muito fortes, ficamos muito mais perto de ganhar.

O árbitro é Artur Soares Dias, auxiliado por Bertino Miranda e Rui Licínio.

Convocados do F.C.Porto:
Guarda-redes, Fabiano e Helton;
Defesas, Ricardo, Danilo, Maicon, Marcano, Alex Sandro e Martins Indi;
Médios, Rúben Neves, Brahimi, Evandro, Herrera, Casemiro e Quintero;
Avançados, Quaresma, Tello, Jackson, Hernâni e Gonçalo Paciência.

Equipa provável:
Fabiano, Danilo, Maicon, Marcano e Alex Sandro, Casemiro, Herrera e Evandro, Brahimi, Jackson e Tello.

Antevisão de Lopetegui.
Sobre a importância do jogo:
«Não pensamos no que vai acontecer, ou não, depois do jogo. Pensamos em preparar a partida e em dar a resposta que queremos dar, frente a um adversário exigente, de grande nível. Vamos tentar dar o nosso melhor, sabemos que temos de dar o melhor para ultrapassar este rival, nada mais. As contas ficam para depois. Esperamos um Sporting forte, é uma boa equipa. Vai ser um rival em consonância com o nível que tem e da motivação que tem, da mesma forma que nós.»

Sobre o jogo do Sporting para a Liga Europa e influência no jogo de amanhã:
«O Sporting foi afastado fazendo um bom jogo contra o Wolfsburg e merecia mais na Liga Europa. Demonstrou que é uma equipa de nível e temos de dar uma resposta. Não fizeram essa pergunta quando jogámos para a Taça de Portugal e tivemos quatro jogadores que chegaram um dia antes do jogo, três que chegaram dois dias antes e cinco três dias antes. Um clássico tem motivação suficiente e os plantéis têm soluções para jogar a cada três dias. Não é relevante.»

Sobre a reacção de Jesus:
«Antes de mais, eu não falei das arbitragens. Estão confundidos. Falei de azar, nada mais. E não falei de nenhuma equipa mas apenas uma respondeu... Excusatio non petita, culpabilita manifesta», que pode traduzir-se «quem se desculpa sem ter sido acusado, culpabiliza-se. Estou aqui para falar do Sporting. Precisamos de toda a energia e concentração para esse jogo. Não queremos desvirtuar nada, é um clássico e precisa de toda a nossa atenção.»

Estas declarações de Vítor Baía, como tese, têm lógica, os portistas, dirigentes, técnicos e adeptos, não andam constantemente a desculpar os seus erros e insucessos, com arbitragens. Não somos calimeros. Mas há sempre excepções e no actual contexto as declarações de Vítor Baía são curtas, infelizes, lamentáveis, servem de arma de arremesso contra o portismo. Sim, o portismo, porque a esmagadora maioria dos portistas acha que os árbitros têm andado com o Benfica ao colo, graças aos árbitros o Benfica é líder destacado. E por isso Vítor Baía devia ter ido mais longe, dizer que se como tese ninguém se deve desculpar com arbitragens, esta época as arbitragens têm tido influência determinante no desenrolar do campeonato, a classificação está desvirtuada pelos erros dos homens do apito. Porque não é fez? Quem conhece bem Baía e eu conheço, sabe porque ele ultimamente tem feito este tipo de declarações - quem não se recorda da Gala de FPF, para Baía, ter sido extraordinária, por exemplo? -, mas fiquemos por aqui em nome daquilo que Baía foi enquanto profissional do F.C.Porto.

O Lemos disse-lhe para falar do Penafiel-F.C.Porto e ele falou. Nesse jogo não aconteceu nada, embora a propaganda tenha transformado golos onde as imagens não mostram nada em golos irregulares. É uma evolução, se o Lemos lhe mandasse falar do F.C.Porto B-Leixões ele tinha falado. Sim, porque ele não fala de árbitros, ele está acima disso tudo, ele é o Doutor do Povo, o Mestre da Táctica, o Catedrático, o Iron Man...

E o Silva, pode continuar a fomentar o ódio e a violência?


O Benfica vai apresentar queixa na PGR contra desconhecidos, devido a um vídeo que circula na Net, "Holocausto lampião" e que dizem ser de autoria de adeptos do Sporting. Não vi o vídeo, não faço tenção de ver, já li que é de péssimo gosto, ultrapassa todos os limites do bom senso e da rivalidade. Mas era bom que em simultâneo o clube do regime tomasse providências, não contra a adeptos, sim contra um seu vice-presidente, Rui Gomes da Silva. O anãozinho Silva, para além de mau carácter, é alguém que semanalmente na SIC Notícias e nas redes sociais se comporta como autêntico pirómano, um provocador fundamentalista, gerador do ódio e da violência. Porque não se pode comparar as responsabilidades e os exageros dos adeptos, com os de alguém que tem responsabilidades directivas num clube. Mais, o troglodita Silva não se limita a ironizar como alguma comunicação social faz crer, não, ele diz o que lhe apetece, insinua, mente, insulta, coloca em causa a idoneidade profissional de quem lhe dá na telha, semeia ventos fortes, perante o silêncio das entidades desportivas, mas não só. Como quem semeia ventos, sujeita-se a colher tempestades, espero que mais nenhuma tempestade se abata sobre a cabeça do Silva, mas que ele faz tudo para isso... faz e só não vê quem não quer. Portanto, se o Benfica está preocupado, quer paz e tranquilidade, comece por colocar na ordem um seu vice-presidente. É o mínimo que pode fazer. Chega de se armarem em vítimas e depois terem alguém a fazer aquilo que não se vê em mais nenhum clube.

Notas finais:
Já começa a ser um clássico antes dos clássicos, Octávio Machado foi quem a Antena 1 foi ouvir para lançar o F.C.Porto-Sporting. Escusado será dizer que o ressabiado tinha de ser igual a si próprio, Marco Silva é que é bom, Lopetegui não presta.

Outro clássico antes dos clássicos, é a presença da ADoP no Olival a controlar jogadores do F.C.Porto. Devo andar distraído, mas nunca ouvi quejá tenham ido ao Seixal ou a Alcochete.

Tiago Martins é a cara da bandalheira que grassa na arbitragem portuguesa


O estado de autêntica bandalheira que grassa no Conselho de Arbitragem da FPF, liderado por Vítor Pereira - Pedro Proença chamou-lhe caos e teve de arrumar o apito mais cedo, mesmo sendo o melhor árbitro português e um dos melhores do mundo -, tem um exemplo significativo, paradigmático, é a cara deste Conselho de  Arbitragem, em Tiago Martins, árbitro da Associação de Futebol de Lisboa. Como é possível este rapaz que semanalmente mostra não ter jeito nenhum para a função, seja não só árbitro de primeira-categoria, como tenha sido promovido a internacional? Há meses atrás num Porto-Académica para a Taça da Liga, transformou um penalty claro sobre Jackson num cartão amarelo ao capitão dos Dragões. Na 21ª jornada perdoou ao Braga no jogo com o Arouca, um penalty do tamanho da Pedreira. Ontem em Marvila expulsou três jogadores do F.C.Porto B, rezam as crónicas mais insuspeitas, um exagero de deixar qualquer um com os cabelos em pé. E há mais, muito mais... Vai longe este projecto de Calabote dos tempos modernos. Mas ninguém se importa, ninguém quer saber porque é internacional. Fosse outro o beneficiário das poucas vergonhas semanais, fosse outro o prejudicado por arbitragens escolhidas à la carte e já tinha caído o Carmo e a Trindade. Como o grande beneficiário desta bandalheira é o clube do regime, siga para bingo. A credibilidade do campeonato português só está em causa para a prostituição jornalística, quando quem domina veste de azul e branco. Quando a cor que prevalece é o vermelho está tudo sempre na Santa Paz do Senhor.

Notas fiinais:
Bruno de Carvalho é mentiroso quando diz que Vieira lhe propôs uma aliança e repartição de títulos entre os dois clubes, mas na questão do castigo de um mês por insultos a um funcionário do Gil Vicente, já fala verdade, quem mente é Fiusa e os gilistas. Diz um recadeiro no panfleto da queimada: «A Bola apurou que o funcionário gilista terá chamado filho da ... ao presidente leonino...»

O único jogador que é adepto de um clube grande é o André Simões, para a fofa com U, os outros são todos da Académica.

De que clube é adepto, Rúben Fernandes, ó fofa com U? Era só para saber. Levou amarelo ao 90+4 do último jogo do Estoril e não joga frente ao Benfica.

Começando a olhar para o clássico que temos de ganhar


Aproxima-se mais um clássico, é o terceiro esta época e o F.C.Porto tem um saldo claramente negativo de um empate em Alvalade para o campeonato e duas derrotas, ambas no Dragão, para a Taça de Portugal frente ao mesmo Sporting e outra frente ao Benfica para a prova mais importante do futebol português. É a altura de conseguir uma vitória, pois só a conquista dos 3 pontos permitirá ao conjunto de Julen Lopetegui continuar na luta pelo título, principal objectivo da época. Já há duas certezas sobre a partida do próximo domingo, uma que o F.C.Porto não terá Óliver, a outra que o Sporting não terá Bruno de Carvalho. Falta saber qual ausência pesará mais no rendimento das equipas - obviamente estou a ironizar, mas da maneira que as coisas estão a ser apresentadas, até parece que Bruno é o melhor jogador do Sporting, leva muitos golos marcados. A substituição do jovem espanhol, figura de relevo no xadrez do treinador basco, é a única questão que preocupa os portistas. Quem jogará no lugar de Óliver? Quintero não mostrou argumentos no Bessa para ser o escolhido, não acredito na passagem de Brahimi para o meio, vou mais para Rúben ao lado de Casemiro e Herrera mais avançado; ou para a entrada de Evandro, jogador fiável, que sabe pressionar e fechar, mantendo equilíbrios e que junta a isso também intensidade e capacidade para aparecer na frente a apoiar e a finalizar. Evandro é a hipótese que mais me agrada, acho que só precisa de jogar meia dúzia de jogos consecutivos para se afirmar definitivamente. Para além de tudo, o ex-Estoril tem uma disponibilidade quer quando entra de início, quer quando entra durante o desenrolar do jogo, seja mais cedo ou mais tarde, digna de registo. E são estes jogadores que as equipas ganhadoras não dispensam.

Foi ontem conhecido o árbitro do F.C.Porto-Sporting. A escolha recaiu no portuense Artur Soares Dias que será auxiliado por Bertino Miranda e Rui Licínio. Se nada a dizer dos auxiliares, Bertino é dos melhores do mundo, não gosto de Artur Soares Dias. Não gosto porque não esqueço a sua arbitragem no Benfica-Porto da época passada. Um árbitro que não marcou um penalty contra o F.C.Porto, mão de Mangala, marcou canto, mas mesmo que do canto viesse a resultar o segundo golo do Benfica, a partir daí entrou na lei da compensação, prejudicou descaradamente o F.C.Porto - Ver aqui. Como o Sporting é verde, não é vermelho, espero que Artur Soares Dias possa fazer uma arbitragem isenta, equilibrada, não tenha qualquer influência no resultado.

Quando se tenta justificar o injustificável, corre-se o risco de fazer figuras tristes. Foi o que aconteceu com o marido da Manuela Moura Guedes, Zé Eduardo, com o anãozinho Ruizinho Silva - queria à força que Jackson fosse castigado - e com o papagaio verde de bico encarnado, João Gabriel, conhecido entre os amigos por Gabizinho. Louve-se porém, o facto do responsável pela comunicação do clube do regime, num laivo de bom senso, vir reconhecer o óbvio: "A classificação está aldrabada por influência dos árbitros".
O descaramento do clube do regime e sua propaganda, não tem limites, mas como disse um amigo meu, um clube cujo jogador símbolo, Eusébio, afirmou que se defrontasse o Benfica e fosse chamado a marcar um penalty, falhava de propósito, vir criticar André Simões por se assumir portista, mesmo que sendo expulso, só tenha ajudado o Benfica, é próprio de quem perdeu a noção do ridículo. Como também, um clube que tem na sua história um portefólio de calabotes, velhos e novos, azevedos, estorilgates, túneis da pouca vergonha, taças SLB - Senhor Lucílio Baptista -, mulheres que amaram Mister King, João, pode ser o João, mais vale ter gente nossa na Liga que um bom ponta-de-lança, estou a fazer as coisas por outro lado ou levava árbitros às casas de meninas, Coroado dixit, vir falar de fruta ou café com leite, é o fim da picada.
 
 Zurra e dá coices movido a Cutty Sark
Caixa de comentários 

- Copyright © Dragão até à morte. F.C.Porto, o melhor clube português- Edited by andreset