Populares Mês

Algumas notas sobre a AG de ontem; incompetência ou má-fé; e os chorões


Como estava previsto, estive ontem na Assembleia Geral Extraordinária para aprovação dos novos Estatutos do F.C.Porto, tive o prazer de conhecer pessoalmente um frequentador assíduo e comentador do blog, Bruno Guedes e a sua mulher.
Apesar de vários capítulos e artigos não terem sofrido alterações em relação aos anteriores Estatutos, esteve mal o F.C.Porto ao não colocar, com devido tempo, até porque a isso estava obrigado, as alterações que iam estar em discussão e a nova versão, quanto mais não fosse, no site e em PDF. Como lamentavelmente isso não aconteceu e só pouco tempo antes os associados tiveram ao seu dispor os novos Estatutos, não era fácil analisar com o cuidado necessário tudo que estava em discussão. Valeram as intervenções de quem já conhecia o que estava em causa e assim foi possível alterar a redacção de alguns artigos, aqueles mais sensíveis. Foi o caso do equipamento principal. Estava: "...o equipamento principal deve adoptar as cores tradicionais do clube e o seu emblema", uma nortada forte e aglutinadora, foi importante para que ficasse, preto no branco, que as cores são o azul e branco às riscas verticais. Outra questão que podia gerar polémica, mas foi pacífica, nem foi discutida, tem a ver com a possibilidade de os grupos organizados de adeptos, leia-se, claques, terem quotas mais baratas. Não diz quanto, portanto, atirar valores sobre essas quotas, é pura especulação. Porém, sobre isso, gostaria de dizer o seguinte e é uma opinião que não é de agora, não sei quando - é impossível a quem já publicou 2735 posts, saber onde isso está -, mas já o disse aqui: o F.C.Porto reconhece a importância das claques, acha que o apoio que dão às equipas é fundamental - e para mim, é! -, por isso devem ter algumas regalias, por exemplo bilhetes mais baratos, prioridade no acesso aos bilhetes em jogos fora do Dragão, etc. OK, mas para mim todos os membros das claques tinham de ser, para além de sócios das claques, sócios do F.C.Porto, tinha de se arranjar uma solução qualquer de forma que só tivesse acesso às ditas regalias, quem na hora de as levantar, fizesse prova de ser associado e com as quotas em dia. Se para isso as quotas tiverem de ser mais baratas... não me choca nada. Dito isto, foi uma das AG mais concorridas dos últimos tempos - é pena que não tenham sido mais os associados presentes. Há quem tecle muito, mas apareça pouco... -, quem quis colocar questões, colocou-as com toda a liberdade e tranquilidade - não é um ou outro aparte, algo que até acontece nos parlamentos e só ouvi um, que coloca em causa o que quer que seja. A não ser que haja quem confunda gritos de Porto, Porto, Porto!, com intimidação -, cada um votou como a sua consciência lhe mandou, houve apenas uma abstenção. Uma abstenção coerente, de um associado que pediu a palavra, explicou e bem, que era difícil para ele votar a favor, quando não teve o tempo necessário para analisar com o cuidado que lhe permitisse votar a favor. Quando fez esta intervenção, não só ninguém o criticou ou perturbou, como teve o apoio de muitos, quiçá, a maioria dos associados presentes.
Concluindo, a AG não foi só isto, seria impossível detalhá-la ao pormenor, mas fica o essencial para que não se ande por aí a especular, nem a mentir descaradamente.

Incompetência ou má-fé?
Há tempos atrás diziam que o F.C.Porto tinha que vender o Mangala ou o Jackson para pagar um empréstimo ao BES ou BCP, já não sei. O F.C.Porto vendeu o iinternacional francês ao Manchester City, como se viu depois a questão foi tratada de outra forma. Agora tem de vender Danilo para pagar ao Novo Banco, diz o panfleto da queimada pela pena de Paulo Pinto.
- Paulo Pinto, faz o trabalho de casa, se não sabes, informa-te para não dizeres asneiras, levares as pessoas menos informadas ao engano. Faz o que eu fiz, como não sou especialista, perguntei a quem sabe. Tens aqui a explicação:
«Quando se pede um empréstimo a um banco tem que se dar sempre uma garantia, senão não há nada para ninguém.
 
No caso dos clubes de futebol ou das SADs essa garantia é, na maioria das vezes, os passes dos jogadores ou então certas outras receitas, como as televisivas, os patrocínios, etc...
 
O banco não é dono do passe do jogador. Muito menos decide o que fazer com ele. Nenhum clube ou SAD está obrigada a vender o jogador em causa.
 
O que o banco tem a haver é o dinheiro que emprestou e não o passe do jogador.
 
A forma como a SAD vai saldar os seus compromissos é com a própria SAD e a sua gestão.
 
O próprio empréstimo em si e a data em causa são passíveis de serem negociados. Como foi, por exemplo, o último com o Novo Banco, o tal que tinha o Mangala como garantia.
 
Quem está sempre a bater nessa tecla é quem tem má fé e apenas tem como intenção menorizar e dizer mal do Clube.
 
Repara que nos nossos relatórios apresentamos todos os empréstimos a todos os bancos e as garantias que lhes estão associadas. É informação dada por nós.
 
É fácil um qualquer tipo afecto a outro clube pegar nisso, ser intelectualmente desonesto e, de má fé, adulterar a lógica e o contexto das situações.
 
Todos os clubes têm empréstimos. Não sei é se todos referem nos seus relatórios quais são as garantias associadas aos mesmos.
 
Por exemplo, em 31/12/2014, a SAD do Benfica, tinha 192,3ME só em Empréstimos Bancários.
 
Nós, 99,6ME.
 
Não é fruto do acaso que vendem, pela terceira vez consecutiva, a sua joia da coroa a meio da época.
 
Por isso, um benfiquista falar disto, só o poderá fazer, se, para além de ter muita má-fé, também for estúpido.
 
Deveria sim estar preocupado 
com, por exemplo, o facto de no último ano e meio terem feito várias vendas importantes, de 7 ou 8 titulares, e as suas dívidas aos bancos serem superiores ao momento anterior a essas mesmas vendas.
 
É evidente que os compromissos têm que ser saldados na data devida. A não ser que haja nova negociação, como na maioria das vezes acontece.
 
Mas não é pelo facto de termos o passe de um jogador como garantia a um qualquer empréstimo que passamos a estar obrigados a vendê-lo e muito menos o banco decidir sobre ele.
 
Sempre realizamos duas ou três vendas significativas por ano. Podem ser os que estão como garantia ou qualquer outros que, eventualmente, nem estejam associados a qualquer empréstimo.
 
O que importa é ter o dinheiro e saldar o que é devido na altura devida, independentemente da forma, da proveniência, das garantias que foram ou não associadas a este ou aquele empréstimo. 
 
Nós é que, evidentemente, temos que nos obrigar a nós mesmos a responder aos nossos compromissos.
 
E vamos fazendo-o dentro da nossa lógica de gestão... O habitual: ter um jogador, fazê-lo crescer, obter rendimento desportivo e, posteriormente, ao fim de 2, 3 ou 4 anos, conseguir o respectivo rendimento financeiro...
 
Os tipos venderam Matic, André Gomes, Rodrigo, Oblak, Enzo, Markovic, Garay, Cardozo, Mora, Melgarejo... e ainda assim as suas dívidas bancárias são superiores ao momento anterior a essas vendas...
 
Já venderam o Bernardo Silva para compor as contas do 3º Trimestre...
 
Salvio e Gaitán na rampa de lançamento...
 
Estão preocupados com o F. C. Porto e a venda do Danilo?»
Depois desta explicação detalhada, só posso agradecer a colaboração do Rogério Paulo Almeida.

Os chorões.
São o mais maior, melhor, grande clube do mundo e arredores, têm como treinador um "Mestre da Táctica", Exterminador Implacável", "Catedrático", "Iron Man", "Doutor do Povo" e afins, estão em pânico, ai meu Deus que será de nós sem o Gaitan? Rezem muito para que nada lhe aconteça.

No futebol de hoje só talento não chega...


No futebol de hoje, muita competição, muitos jogos jogos e, mesmo nas provas internas, sem as grandes diferenças entre as equipas, de outrora, ter talento ajuda, muitas vezes é fundamental, mas não chega. É preciso juntar ao talento mentalidade forte, espírito de sacrifício, capacidade física, regularidade exibicional, intensidade para jogar a ritmos altos, saber jogar sem bola, perceber a importância do colectivo. Claro que há talentos, porque são grandes craques, têm capacidade para resolver, sozinhos, Lionel Messi, por exemplo, esses podem dar-se ao luxo de ter equipas organizadas à sua volta. Quem não perceber isto, mesmo tendo um grande talento, arrisca-se a não fazer a carreira que está ao seu alcance. Quaresma percebeu tarde, ele que está fazer uma carreira bonita, mas aquém do que o seu talento e potencial perspectivaram. Quintero ainda está a tempo de fazer essa carreira. Gostei de ler no Jogo o que disse o jovem colombiano sobre várias coisas e em particular sobre Julen Lopetegui - aqui

Hoje há Assembleia Geral Extraordinária do F.C.Porto e como podem ver ao lado, tem um Ponto Único na Ordem de Trabalhos - Deliberar sobre a aprovação dos novos Estatutos do Clube. Como o F.C.Porto não disse o que vai ser discutido para que os sócios se pudessem debruçar e reflectir com calma sobre o assunto - claro que na AG ficamos a saber, mas não é a mesma coisa, até para motivar as pessoas a lá irem -, temos de nos socorrer do que vem no jornal, no caso O Jogo e que diz que estará em causa o aumento de três para quatro anos o mandato presidencial; só quem tiver mais de cinco anos de filiação pode pertencer aos Orgãos Sociais; candidatos a presidente só quem tiver dez anos ininterruptos de filiação; em vez de cinquenta assinaturas, passarão a ser precisas trezentas, para apresentar uma lista às eleições; quotas de valor inferior para grupos organizados da cidade do Porto - esta não percebi... Não vem no Jogo, mas também me soou que a norma estatutária referente aos equipamentos, será alterada. Como vou lá estar depois falamos sobre o assunto.

O presidente da FPF, Fernando Gomes, foi eleito para o Comité Executivo da UEFA. Parafraseando  Fernando Mendes, o gordo mais conhecido de Portugal: era o que ele queria. E como queria, não vamos tirar mérito ao "facadinhas" por ter gizado a estratégia correcta para lá chegar - mesmo que para isso muitas vezes tenha perdido a memória, assobiasse para o lado e não tivesse uma palavra sobre coisas graves que se passam o futebol português. Mas nada podia perturbar os interesses do ex-atleta, dirigente e administrador da SAD do F.C.Porto. Para ele é óptimo, um lugar de sonho e cheio de mordomias e que vai acumular com a presidência da FPF. Para o futebol luso, sinceramente, não vejo qualquer vantagem. A UEFA é uma coutada de Platini, o francês faz o que quer o sobra-lhe tempo e como ele é alérgico aos portugueses, olha com desdém para o nosso futebol e os nossos clubes, não vejo em alguém que se curva todo perante o presidente da UEFA, possa influenciar em nosso proveito, alguma coisa. Por exemplo, a questão dos fundos que Platini quer abolir, utilizando uma linguagem vergonhosa pelo populismo e demagogia, em vez de regulamentar, só não irá para a frente se os tribunais europeus, Bruxelas e TAS, derem razão à Doyen e companhia, nunca por qualquer influência do representante português no Comité Executivo. Entre tanta euforia e tantas felicitações, não deixa de ser significativo o silêncio do F.C.Porto.

 Porque o Pedro falou neste lance... Penalty!
Nem livre indirecto...
Caixa de comentários 

Como abordar a Taça da Liga e mais umas coisas...


Taça da Liga:
Depois da paragem para as selecções, o F.C.Porto vai entrar num ciclo terrível, Taça da Liga, Campeonato, Champions, a equipa já tem muitos jogos nas pernas - lembre-se que começou a competir muito cedo por causa do play-off de acesso à prova rainha da UEFA -, como devia ser encarado o jogo do dia 2 de Abril na Madeira frente ao Marítimo, para a Taça Senhor Lucílio Baptista? Como pouco me importa essa Taça que não salva nada, jogadores que estão ao serviço das selecções, utilizados e sujeitos a longas viagens, ficavam a descansar; jogadores que vão jogar, mas têm viagens curtas, podiam ser utilizados de início ou entrando mais tarde; jogariam os que ficaram por cá e têm sido pouco utilizados, alguns dos que têm jogado mais, mas como esta é uma paragem de quase duas semanas, também poderiam fazer uma perninha.
Que tal, Helton, Ricardo, Maicon, Marcano e José Ángel, Campaña, Evandro e Rúben Neves, Hernâni, Gonçalo Paciência e Quaresma? Banco, Andrés Fernández ou Ricardo Nunes, Indi, Alex Sandro, Casemiro, Óliver, Tello e André Silva?

Lance sobre Quaresma no Nacional-F.C.Porto:
Houve quem em comentário falasse de um penalty sobre Quaresma, já na parte final do Nacional-F.C.Porto. Tenho um amigo ex-árbitro e actual comentador de assuntos de arbitragem que me deu a cacetada: "Então mandaste a boca porque não concordaste que para mim o lance do pontapé na cara do Quaresma no Porto-Arouca, era livre-indirecto e agora que eu disse que o lance sobre o Nº7 do F.C.Porto, na Choupana, era penalty, não dizes nada?". É verdade, mas há uma razão: como disse em relação à falta de Jackson, a exibição do F.C.Porto não devia ser branqueada, com desculpas. No entanto, sei muito bem que se fosse na área dos Dragões o lance teria dado azo a falatório e a polémica; também sei muito bem que se fosse com outros clubes acontecia a mesma coisa; não esqueço que o clube do regime quando jogou mal, ganhou porque os homens do apito marcavam ou não marcavam, conforme o interesse do clube da Luz.

A partir do artigo de António Simões...
Introdução:
Mesmo quando os treinadores não são os que eu teria escolhido, por exemplo, Paulo Fonseca - disse porquê na altura própria -, respeito-os, permito críticas, não permito abandalhamento, como alguns pretendem. Há portistas para quem os treinadores só são bons se ganharem sempre e com nota artística. Como sou do tempo em que ao primeiro desaire apareciam as caras feias, ao segundo a contestação e ao terceiro, treinador na rua; sei o preço que pagamos por isso, uma longa e penosa travessia do deserto que durou 19 anos; não quero isso de volta; vamos lá descaroçar o artigo do António Simões, porque ao contrário de outros made in panfleto da queimada, não tem segundas intenções.
Quando se fala em mentalidade Champions versus mentalidade campeonato e se apontam as diferenças, principalmente na concentração e na forma de abordar os jogos, está-se a reconhecer responsabilidades ao treinador. Sim, o treinador como líder, tem obviamente responsabilidades, nunca passará imune a um empate que deixou um travo amargo no universo portista. Mas não é preciso estar lá dentro, nem ter informação privilegiada, basta estar atento ao que vai dizendo antes e depois dos jogos, Julen Lopetegui, para saber que não foi por falta de avisos do treinador que a equipa não rendeu aquilo que pode e devia. Lopetegui passou o jogo todo a espevitar, Helton também não se cansou de gritar para alertar e se podemos colocar em causa a estratégia, a equipa ou as substituições, não foi pela mensagem sobre as dificuldades que esperavam o F.C.Porto que o gato foi às filhoses. Independentemente do resultado do Benfica que só foi conhecido já estava o Nacional-Porto muito perto do seu início. Para além de tudo não há treinadores perfeitos, mesmos os grandes e nós tivemos grandíssimos treinadores, cometem erros.

Mike e Melga:
- Não, não, não! Não pode ser, Mike diz-me  que não é verdade...
- Que se passa, Melguinha, o que te deixou assim?
- "Benfica negoceia com o guarda-redes do Arouca, Mauro Goicoechea"
- Não, não, Não! Não pode ser, Melguinha diz que não é verdade...

- Melga, tu como grande entendido de bola e que vais aos mesmos sites que o Luís Freitas Lobo para saber tudo sobre jogadores, achas que o Jonathan Rodríguez justifica tanta badalação?
- Mike, até agora apenas mostrou serviço na equipa B, tal como também tinha feito o Funes Mori que agora anda perdido pela Turquia. Mas já sabemos como é, o comércio de papel é assim que funciona.

- Mike, o anão e xuxuzinho Silva, como Vila Pouca o trata, diz que o F.C.Porto, ao contrário do Benfica, não tem equipa nem treinador. O que achas?
- Meu caro amigo, tal como o nosso patrão, penso que ao anão e xuxuzinho Silva, não lhe cabe um feijão no sítio que é inversamente proporcional à sua altura.

Redacção do panfleto da queimada em polvorosa:
Valente discussão na redacção do panfleto da queimada entre o freteiro com calo no cu como o macaco, Delgado e o reco-reco Guerra, por causa de Luís Filipe Vieira.
- Fernando, tudo que está bem no Benfica é da responsabilidade do presidente, tudo que está é culpa do Jesus? Chega de tantas lambidelas, o que é demais é moléstia.
- O quê? Tu, logo tu, que passas a vida a lamber o Luís Filipe, passas o mês de Dezembro a bajulá-lo para te dar a entrevista de Ano Novo, atreves-te a criticar-me? Deixa-te de ser invejoso, não tenho culpa de ele gostar mais de mim do que de ti.
- Como?! Mas deixa estar, eu não vou fazer nada e vamos ver se aquilo que já é um clássico da Bola, a entrevista do grande líder, volta a acontecer em Janeiro de 2016. Aí é que se vai ver de quem gosta mais Vieira, se de ti se de mim.

- Calem-se, tenham vergonha, ele gosta dos dois de igual modo... tanto que convidou os dois para participarem naquele célebre jantar que esteve na origem daquele comunicado contra tudo e todos, incluindo o crime de lesa futebol que foi o apelo aos adeptos do clube do regime para boicotarem os jogos fora. E para mostrar que tem pelo reco e pelo freteiro o mesmo carinho, os dois colaboraram na elaboração e redacção do comunicado.

Bazófia para esconder o medo, os emprestados e uma analogia absurda

 
Como se verificou em Vila do Conde, toda aquela arrogância e bazófia que até meteu reserva de rotundas, é para inglês ver, eles estão cheios de medo. Os fantasma do 90+2 persegue-os, se já apertaram o "Mestre da Táctica" quando sabiam que independentemente de qual fosse o resultado do F.C.Porto frente ao Nacional, ainda continuavam na frente, coitado do "Exterminador Implacável" se a história da época 2012/2013 se repetir... E acredito que pode repetir-se, se agora que faltam apenas 8 jornadas e a coisa vai apertar, até final formos o Porto com raça, carácter, mentalidade forte e até transcendência de Braga, no jogo para a Taça da Liga, e não o Porto abúlico, triste, com pouca capacidade de reacção, incapaz de marcar um golo, como o da Madeira, frente ao Marítimo quando tinham passado apenas quatro dias ou o da noite de sábado passado. Sou sensível e muito, ao facto de termos um plantel com muitos jogadores novos no clube e na idade, também um treinador novo e isso pesa, só que chegamos à hora da verdade e não há mais mas nem meio mas. Ou somos o Porto, de Braga a que fiz referência, capaz de lutar contra tudo e todos e o título tem muitas hipóteses de vir para o Dragão, ou não somos e aí o principal objectivo da época não será conseguido.

Nota:
Ao contrário do que têm dito algumas almas penadas, depois da derrota do F.C.Porto na Madeira frente ao Marítimo, se o Benfica tivesse ganho ao Paços ficava com 9 e não 7 pontos de avanço, com o título praticamente garantido. O F.C.Porto no sábado falhou a oportunidade de encostar ao clube do regime, mas apesar de tudo saiu melhor desta jornada do que estava antes dela. Se os Dragões não têm estofo de campeão por isto, o que se devia dizer dos da Luz após Paços de Ferreira?

Os emprestados:
A minha opinião é conhecida, já a transmiti aqui no blog faz tempo. Jogadores emprestados e que continuam ligados ao clube que os empresta e que muitas vezes é responsável por parte dos salários, em alguns casos no salário todo, não devem jogar contra os clubes a que pertencem. Esta minha opinião ficou clara quando o F.C.Porto emprestou Jorge Costa ao Marítimo, ele jogou contra os Dragões no saudoso Estádio das Antas, teve o azar de marcar um golo na própria baliza, todos lhe caíram em cima, colocando em causa o seu profissionalismo. Isto apesar do F.C.Porto ter vencido o jogo por 3-1, o lance infeliz do "Bicho" não ter tido influência no resultado. Portanto, acho bem que Quiño, Tiago Rodrigues, Kayembe ou Kléber, não joguem contra o que clube a que estão ligados, lamento que sejam precisos usar subterfúgios, como lesões de última hora ou doenças súbitas, para contornar a lei. Jogadores nestas circuntâncias não deviam jogar e ponto final. Agora ver os vermelhos da Luz, seja através dos seus paus mandados, crentes ou menos crentes, senadores patetas ou menos patetas, pinhas que parecem pinhões, etc., ou através da sua máquina de propaganda vendida, falar destes casos, colocando no mesmo saco as poucas vergonhas Miguel Rosa e Dayverson, é o fim da picada. É confundir alhos com bugalhos, é tentar arranjar desculpas esfarrapadas para disfarçar o incómodo que lhes causou aquele escândalo nunca visto.

Analogia absurda:
Que a rivalidade entre F.C.Porto e Benfica é grande, estamos todos de acordo. Que as claques dos dois clubes não morrem de amores umas pelas outras, também. Mas utilizar essa rivalidade entre facções para fazer analogia com a guerra na ex-Jugoslávia, guerra fratricida, onde foram cometidas as maiores atrocidades e que custou a vida a mais de uma centena de milhar de pessoas, é um absurdo, só pode partir de alguém que está completamente passado do capacete. No entanto, a pergunta foi pelo "jornalista" do panfleto da queimada, Miguel Cardoso Pereira, ao sérvio e chefe de cozinha, Ljubomir Stanisic.
Um "jornalista" que cita José Régio numa crónica de um jogo de futebol e depois faz analogias destas... há qualquer coisa que não bate certo...

Mentalidade Champions versus mentalidade campeonato

F.C.Porto na final four de Hóquei em Patins ao bater o Benfica por 3-2
Não vale a pena estarmos com rodeios, disfarçar: o universo portista hoje está triste, desiludido, frustrado - registo o facto de assumirmos as nossas responsabilidades, não arranjarmos desculpas com o árbitro nem com a falta de um jogador tão importante como Jackson, tão pouco nos agarramos à desculpa que o Nacional só joga assim contra nós. Podíamos estar a um ponto, deixá-los a tremer, cheios de medo, a não lhes caber um feijão, mas falhamos, não fomos competentes, oferecemos-lhe um balão de oxigénio. Mas o que não tem remédio remediado está, façamos o diagnóstico e depois concentre-mo-nos nos aspectos positivos: estamos melhor após esta jornada, só dependemos de nós para chegar ao título. Lopetegui falou em ansiedade. Respeito a opinião do treinador do F.C.Porto, mas não concordo que seja um problema de ansiedade, para mim é um problema de mentalidade e concentração competitiva que temos, quase sempre, na Champions, muitas vezes, vezes de mais, não temos no campeonato. Digo não pelo jogo de ontem, já fiz referência a isso quando perdemos, mas também quando conseguimos vitórias e algumas por margem dilatada.

A Champions é uma das grandes montras do futebol mundial, só tem paralelo num Campeonato da Europa ou do Mundo. Todos a querem jogar, nela todos querem brilhar, tenho a sensação, é a minha sensação e opinião, que na prova rainha da UEFA temos uma concentração e uma mentalidade competitiva que não temos em outras provas. Na Champions jogamos frente a equipas bem melhores do que nacionais e marítimos, com o devido respeito e fomos capazes de juntar aos resultados boas exibições. Na Champions e o jogo na Ucrânia é um bom exemplo, fomos sempre capazes de dar mais alguma coisa, ir aos limites, ter uma vontade e uma determinação que não acontece sempre no campeonato. Não acredito em má forma física, uma equipa tão exuberante há semana e meia, não perde essa forma em tão poucos dias, principalmente, quando entre o jogo com o Arouca e o de ontem, distaram 7 dias. Tenho para mim que após a eliminação do Basileia a equipa relaxou, ultrapassado um ciclo difícil, descomprimiu, ontem pagamos a factura, da forma que o jogo se desenrolou na segunda-parte, até podia ser pior. Dito isto, esta equipa já fez coisas bonitas, prometeu muito, fez-nos sonhar. Que este jogo falhado sirva de alerta. O mês de Abril vai ser complicado, os jogos decisivos vão suceder-se. Temos de voltar ao espírito correcto, à mentalidade certa e se ninguém deve coartar o direito ao sonho - até porque houve gente que ingressou no F.C.Porto atrás dessa possibilidade...-, também é preciso perceber o que está em jogo. O campeonato é o principal objectivo da época, a Champions é um sonho. Entre o sonho e a realidade... ou somos capazes de ser iguais na forma como encaramos todos os jogos ou temos de estabelecer prioridades.

Apesar de tudo que referi no início do post, acredito que podemos ser campeões, hoje mais do ontem antes do Rio Ave 2 - Benfica 1. Quem não acreditar e quiser desistir, OK, está no seu direito, mas longe daqui. Estamos entendidos?

Notas finais:
Jesus queixou-se do árbitro. Luisão foi mal expulso? Patético! Então Fabiano nem amarelo devia levar, o jogador do Arouca que foi expulso contra o Benfica, idem aspas. É o clube do regime no seu melhor. Basta uma arbitragem correcta para eles se queixarem, deixarem cair a máscara. Compreende-se, estão habituados às ajudas nos momentos de aperto, quando elas não aparecem tornam-se ridículos, mas não surpreendentes. Como ridículos são também alguns rafeiros made in Cofina, senadores patetas e papa-hóstias. Se uns, porque são do clube do regime, até se compreende, os outros, na ânsia de tanto agradarem à maioria só fazem cenas tristes. Até parece que Lopetegui quando fala dos árbitros, para além de ser em resposta a perguntas que lhe fazem, está a ser original, a arbitragem é um assunto tabu em Portugal.

- Manuel Machado, é pá, gosto de ti, da tua maneira irreverente de estar e falar, das tuas originalidades que marcam e ficam, mas essa do árbitro ser responsável pelo golo do F.C.Porto... é um exagero.
Vâ a foto, Manel... Já viste? Então estão quatro jogadores da tua equipa à volta do Tello, deixam-no fazer tudo, marcar golo e a culpa é do árbitro? Devias ter dado mérito ao avançado do F.C.Porto. Mas compreendo-te, Manel, tens mais protagonismo por te queixares do árbitro que pela qualidade da exibição da tua equipa. E como já os conheces...

Concordo que ontem Brahimi encrencou, irritou, não fez um bom jogo. Mas mesmo nessas circuntâncias, deve o treinador tirar um jogador genial e que em qualquer altura pode sacar um coelho da cartola e decidir um jogo?

C.D.Nacional 1 - F.C.Porto 1. Tínhamos de fazer muito mais...


Dois primeiros a jogar fora e em campos difíceis, na parte que nos interessa, qualquer que fosse o resultado do Rio Ave - Benfica, o F.C.Porto que jogava depois na Choupana, frente ao Nacional, entraria sempre pressionado: no caso de vitória dos lisboetas para não permitir maior vantagem pontual; no caso de empate ou derrota dos da Luz, para encurtar distâncias, ficar a depender apenas de si. O líder perdeu e perdeu bem em Vila do Conde, era uma oportunidade de ouro para os Dragões darem um sinal forte, encostarem ao primeiro-lugar, mostrarem que têm estofo para chegar ao título. Andávamos à espera de um deslize do Benfica há tanto tempo e quando eles deram clamorosamente o flanco, nós não estivemos à altura. Quando tínhamos de comer a relva, se fosse preciso, ir buscar a vitória ao Inferno, não fomos capazes,  desperdiçamos dois pontos e embora agora dependamos apenas de nós, não é a mesma coisa ficar a três ou a um ponto. Podíamos ter dado uma machada na confiança dos vermelhos, podíamos tê-los colocado sobre grande pressão, mas falhamos. Uma desilusão. Seremos capazes de olhar para o aspecto positivo - só dependemos de nós -, ultrapassar este empate comprometedor e ter a crença necessária para chegar ao título? Temos de ser!

Entrando com Helton, Danilo, Maicon, Marcano e Alex Sandro, Casemiro (depois Rúben Neves aos 53 minutos), Herrera e Evandro (depois Quintero aos 65), Tello, Aboubakar e Brahimi (depois Quaresma aos 73), isto é, com a excepção de Fabiano, foi a mesma equipa que tão brilhantemente tinha jogado frente ao Basileia e conseguido o passaporte para os quartos-de-final, o conjunto de Julen Lopetegui fez uma primeira-parte razoável e uma segunda fraca, podia ter ganho, mas o empate aceita-se.
Nos 45 minutos iniciais, sem ser contundente, nem tão dominador como em outros jogos, tendo dificuldades em entrar e criar perigo no último terço do campo, mérito do Nacional, o F.C.Porto foi superior, colocou-se em vantagem numa grande jogada individual de Tello e chegou ao descanso por cima no marcador e atendendo à altura em que marcou, minuto 45, com um suporte moral muito importante.

E no início da etapa complementar, com o livre de Maicon à barra, até parecia que tudo iria correr bem. Mas não correu. A equipa perdeu qualidade, intensidade, com a saída de Casemiro e a entrada de Rúben, organização e equilíbrio, os madeirenses começaram a criar problemas, conseguiram chegar ao empate aos 62 minutos. Reacção dos portistas, Danilo ao poste e Aboubakar a obrigar Gottardi a grande defesa, podiam voltar  acolocar o F.C.Porto por cima, como também o Nacional podia ter chegado à vitória quando Lucas João falhou uma boa oportunidade. Não chegou e o jogo terminou empatado, com os nacionalistas contentes e os portistas sem esconder uma certa frustração.

Se no jogo frente ao Arouca porque o Basileia tinha sido há poucos dias e cedo ficamos com menos um, a exibição não podia ser muito famosa, hoje não há razões para que não tenha estado na Choupana um Porto diferente em quase tudo, um Porto à altura do que andava a fazer nos últimos jogos.

Se Quaresma, mesmo entrando mais tarde, entrou bem e com o espírito correcto, já Quintero desperdiçou mais uma oportunidade de mostrar serviço. Não é assim que se diz ao treinador que está errado, se justificam mais oportunidades.

E pronto... é o Bayern de Munique!


F.C.Porto-Bayern de Munique;
PSG-Barcelona;
Atletico de Madrid-Real Madrid;
Juventus-Mónaco.

Saiu-nos a fava. Atendendo a que a final é na Alemanha, Berlim, o principal favorito, a máquina de Pepe Guardiola, o Bayern de Munique. Primeiro jogo no Dragão a15 de Abril, segundo em Munique a 21 do mesmo mês.

Meus caros, como tenho dito, este Porto não morre de véspera, não presta vassalagem a ninguém, eles são melhores colectiva e individualmente, mas vão ter de o provar dentro das quatro linhas. É um jogo em que a pressão está toda do outro lado e por isso que devemos encarar com a tranquilidade de quem não tem nada a perder, tudo a ganhar. É também um jogo frente a um adversário que está gravado a letras de oiro na História do F.C.Porto. Foi em Viena frente ao Bayern que os Dragões conquistaram a primeira Taça dos Campeões e nessa altura também eles eram poderosos, favoritos, jogaram praticamente em casa, mas a Taça veio para a Invicta. E agora pensemos no Nacional.

A Champions é um bom motivo de conversa, mas totalmente focados no Nacional


Toda estas discussões dos portistas sobre o sorteio de amanhã e os palpites com quem temos mais ou menos possibilidades; quem de maneira nenhuma devia sair ou quem seria bem-vindo, nessa matéria há gostos para todos os paladares; são naturais e legítimas, mas passa ao lado dos profissionais do F.C.Porto, totalmente focados no jogo frente ao Nacional, disse-o Lopetegui, na antevisão do jogo do próximo sábado. É importante que seja esse o espírito, mesmo numa equipa que olha para a Champions e pelo que já conseguiu tem o direito a ter expectativas e a sonhar. Só que a prova rainha da UEFA ainda vem longe, é importante manter a crença que podemos chegar ao título e para isso não pode haver distrações. Não há tempo para pensar em mais nada e mesmo que pareça uma cassete, não há como fugir de dizer: temos de ganhar! Ora, como bem sabemos, na Choupana nunca é fácil e se o histórico não é muito desfavorável aos Dragões, não nos esqueçamos, por exemplo, que na época passada perdemos, foi por causa de uma capelada das antigas, mas perdemos. E como não queremos que volte a acontecer, temos de dar o litro, ter a necessária concentração para evitar fenómenos que nos penalizem, jogar um futebol de qualidade.

O árbitro é Manuel Oliveira, auxiliado por Bruno Rodrigues e Alexandre Freitas

Lista de convocados:
Guarda-redes: Helton, Andrés Fernández e Ricardo Nunes;
Defesas: Danilo, Martins Indi, Maicon, Marcano, Alex Sandro;
Médios: Casemiro, Herrera, Evandro, Rúben Neves, Óliver Torres e Quintero;
Avançados: Gonçalo Paciência, Aboubakar, Quaresma, Brahimi, Tello e Hernâni.

Equipa provável:
Helton, Danilo, Maicon, Marcano e Alex Sandro, Casemiro, Herrera e Óliver ou Evandro, Tello, Aboubakar e Brahimi.

Antevisão de Julen Lopetegui
Sobre o que espera do jogo na Choupana:
«O Nacional fez um grande jogo na Taça contra o Sporting e merecia algo mais. Vai ser um jogo complicado, eles têm uma boa equipa e são muito fortes no seu estádio. Teremos de fazer as coisas bem para vencer. Teremos de dar o nosso melhor e fazer uma grande exibição em todos os aspetos. Confiamos nos nossos argumentos»

Sobre Helton:
«O que é importante é a cabeça de cada jogador, a vontade que tem de competir e de ultrapassar as situações. Isso é inevitável para que um jogador seja capaz de ter essa energia para dar a volta. A idade não tem nada a ver com isso. Esteve muito bem, concentrado. Demonstrou que é um fantástico guarda-redes, sem dúvida nenhuma. Mas não vou dizer o que farei tão para a frente. Não faz sentido responder a isso agora...»
 
Sobre as expulsões em jogos do Benfica - parece que os jornalistas só queriam falar disso. Para evitar más-línguas, nenhuma foi feita pelo jornalista do Porto Canal:
«Os factos são factos, nada mais há a dizer. A única coisa que posso fazer é dedicar a minha energia à preparação de cada jogo, o resto não depende de nós. É a realidade e há mais coisas, mas este não é o momento para falar sobre isso»

Sobre as recomendações de Collina:
«Exibiu um vídeo com uma série de bloqueios ilegais. Todos os árbitros devem ver esse tipo de coisas, eu sei o que acontece em todos os jogos. A interpretação dos regulamentos tem de ser a mesma para todos, quer se jogue em Copenhaga ou no Estoril»

Sobre o encontro com Guardiola no Vicente Calderón:
«Falei com Guardiola mas não vou revelar o assunto. Mas, não falámos sobre a Liga dos Campeões»

Sobre qual será o momento decisivo do campeonato:
«Os treinadores não são futurologistas. Temos de fazer o nosso caminho e o nosso trabalho, que é tentar vencer todos os jogos»

Solta:
Deixei passar uns dias para ver se alguns "artistas" diziam alguma coisa, mas ninguém disse nada, passou-lhes ao lado o facto de Ricardo Quaresma ter sido o capitão do F.C.Porto no último jogo.

O mesmo de sempre lá estará em Nyon na sexta-feira


Com o todo poderoso e rico futebol inglês - o último classificado da Premier League recebe, só!, o triplo do F.C.Porto, pelos direitos televisivos... - em situação periclitante, em risco de não ter nenhuma equipa nos quartos-de-final da prova mais importante, entre clubes, do mundo, a UEFA Champions League - só uma grandíssima surpresa evitará que o Manchester City seja eliminado pelo Barcelona em Camp Nou -, o portuguesito, o mesmo de sempre, o único que nos tempos modernos teve sucesso internacional, o melhor clube português, o grande F.C.Porto, resiste e sexta-feira lá estará em Nyon para o sorteio. Na sede da UEFA será olhado com um misto de respeito e admiração, mas também, sejamos realistas, como um dos adversários que seriam bem-vindos para alguns dos tubarões ainda em prova - já os portistas querem o Mónaco, não estarei muito enganado se achar que os do principado também querem o F.C.Porto. Como sou sensato e tenho a noção do que podemos ter de enfrentar, não vou dizer: venha quem vier é para aviar. Não, tenho noção da força de alguns clubes que ainda estão em prova, da sua capacidade colectiva e individual, do seu poder junto da instituição que dirige o futebol europeu e por isso serão sempre favoritos. Agora há uma certeza que tenho: seja quem for que calhe na sorte aos Dragões, mesmo que seja aquela que para mim é o melhor equipa europeia, o Bayern, de Pepe Guardiola, terá que provar dentro das quatro linhas o seu favoritismo, que é melhor, não vamos entrar derrotados ou antecipadamente eliminados. Sim, porque este Porto pode não ser a melhor equipa da europa, mas em carácter, atitude, vontade de fazer bonito, até história, não fica a dever nada a ninguém. E se eles facilitarem, como facilitou o Arsenal quando recebeu o Mónaco em Londres...

Quando Vítor Pereira, então nos comandos técnicos do F.C.Porto, falou nos bloqueios dos jogadores do Benfica nos lances de bola parada, foi tratado com desdém, como alguém que estava a arranjar desculpas de mau pagador. Afinal, agora, é o máximo responsável pela arbitragem da UEFA, Pierluigi Collina, a usar um jogo do clube do regime para dizer o mesmo. Está mais que provado, aquilo que muitas vezes dizemos é pura realidade. Mas como neste país os vendilhões do templo estão todos curvados aos interesses dos "6 milhões", é preciso que seja alguém de fora a dizer a verdade para alguns "cavalheiros" despertarem para certas questões.

Mesmo que o mérito seja quase exclusivamente da responsabilidade dos conteúdos F.C.Porto, no Porto Canal, cada vez mais, mais diversificados e mais apelativos, com vários programas capazes de fidelizar espectadores, principalmente os portistas, congratulo-me que o canal gerido pelo F.C.Porto tenha melhores audiências que as televisões do Benfica e Sporting. Mas como o Porto Canal, ao contrário das congéneres dos seus rivais, é generalista, como seriam as audiências sem os conteúdos F.C.Porto? É nisso que deve reflectir o director-geral, Júlio Magalhães.

Dr. papa-hóstias, quem lhe entrega os papéis com os recados que deve transmitir no panfleto da queimada, televisão e jornal? O Ricardo Lemos ou o João Gabriel, Gabi para os amigos? Já sobre o Penafiel-F.C.Porto, repito o que já lhe disse:
O senhor pode ser muito apologista das práticas de Goebbels, ministro da propaganda de Hitler e por isso repetir 500 vezes que o F.C.Porto foi beneficiado em Penafiel, que isso não passa a ser verdade. É apenas a sua verdade, uma verdade falsa e que o senhor sabe ser falsa. 

- Copyright © Dragão até à morte. F.C.Porto, o melhor clube português- Edited by andreset